domingo, 12 de outubro de 2008

Gilberto Kassab, homossexual e vida pessoal

Que absurdo! Toda a imprensa esta de olho na vida pessoal de Gilberto Kassab! Ele é gay? Homossexual? Prepare-se para uma grande e aterrorizante resposta: sim, ele é um SER HUMANO!!

[caption id="attachment_185" align="alignright" width="154" caption="Fabrício Viana"]Fabrício Viana[/caption]

Achou a resposta um pouco desapropriada? Então entenda uma coisa que eu vivo falando em sites, jornais, revistas e programas de TV que participo: Existe uma busca absurda (e até neurótica) pela homossexualidade do outro (ou a homossexualidade oculta de si mesmo projetadas no outro!!).

Sim, duvidar da sexualidade de alguém, principalmente de homens, saber que ele não desempenha mais suas qualidades masculinas e esta mais próximo das femininas (dinâmica machista citada no meu livro O Armário - www.oarmario.com), principalmente em época de eleições (lembre-se que política é um jogo de poder) é algo deprimente! E isso não acontece apenas com nosso Gilberto Kassab. Isso acontece com todos e a todo o momento, seja na escola, trabalho, faculdade, vizinhança, etc. As pessoas estão constantemente preocupadas mais com a sexualidade alheia do que com a própria.

Navegando em alguns sites li que "Se Gilberto Kassab for gay, ótimo, ele será um excelente prefeito!". Embora a visão positiva da homossexualidade me conforte nesta frase, não é sendo gay ou não sendo gay que ele foi ou será um bom prefeito. Gays e heterossexuais existem de tudo quanto é tipo e gosto. Bons e ruins. Calmos e agressivos. Não é a orientação sexual que irá definir isso. Nem dele e nem de ninguém.

Pior é que tudo isso começou depois que Gilberto Kassab recusou assinar um abaixo assinado contra o projeto de lei que criminaliza a homofobia em um encontro religioso. Com a força de alguns religiosos ignorantes (não devemos condenar todos os religiosos, claro!) mais a propaganda política de Marta questionando a vida pessoal do prefeito, tudo leva a busca de sua suposta homossexualidade.

E quem paga o pato, novamente, somos nós, homossexuais que mais uma vez somos sinônimos de algo ruim, negativo, segundo plano, lixo. Se Gilberto Kassab é gay, isso só diz respeito a ele. Se Gilberto Kassab é hetero, isso só diz respeito a ele. Se Gilberto Kassab é bissexual, isso só diz respeito a ele. Se Gilberto Kassab não gosta de sexo, isso só diz respeito a ele.

Vamos parar com essa conversa fiada. Vamos parar de cuidar da vida (e da sexualidade) dos outros. Vamos cuidar mais da nossa própria sexualidade. Vamos olhar para nós mesmos e pensar: eu transei bem gostoso com o meu amor nesta semana? Consegui um orgasmo ótimo que relaxou todo o meu corpo? Dando um curto circuito energético que me fez aliviar de todas as tensões e stress do dia-dia? Como Eu ando na cama? Ando realizando todas as minhas fantasias? Tenho desejos reprimidos? Até mesmo homossexuais?

Galera, vamos acordar e especular menos da vida alheia. E mais, tanto Marta quanto Kassab fizeram reuniões com o público LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros) e deram seu apoio as causas homossexuais. Fora isso, não tem mais nada a sondar, pesquisar ou deturpar. O que a sociedade precisa é de menos polêmica e mais informação (principalmente sobre a homossexualidade!!!)

9 comentários:

  1. Não é bem assim. Interessa sim que Gilberto Kassab um dia pudesse revelar abertamente sua homossexualidade e que esse dado fosse irrelevante. No entanto, por que ele não fez isso? Porque evidentemente sabe que perderá parte de seu eleitorado, ainda mais sendo um candidato do PFL. Acho muito pertinente que esse debate venha a tona porque Sexo é Política. A questão homossexual é pauta permanente em Brasília e precisamos de discussões, inclusive sobre condutas e comportamentos de pessoas, sejam elas políticos ou não. Se não interessasse o fato de Kassab ser gay nós não estaríamos aqui discutindo. A questão não é a sua incompetência, mas o seu silêncio sobre isso, como fazem, aliás, a maioria de nossos jogadores, políticos e personalidades. Creio que seria muito interessante, inclusive para a causa que você defende, que ele revelasse sua homossexualidade, como fez Renato Russo, Cazuza, Caio Fernando Abreu etc. etc. A vida pessoal de uma personalidade pública implica sim em decorrências e consequências no imaginário coletivo e deve sim ser pautas permanente de discussão. Já que a homossexulaidade é tão irrelevante, tão banal, tão corriqueira, como você diz, por que não revelá-la?

    (Resposta de Fabrício Viana: Suênio, sua opinião é interessante/inteligente embora tenha me deixado intrigado, afinal, como você tem tanta certeza de que Gilberto Kassab é homossexual?)

    ResponderExcluir
  2. Você acertou num ponto e aqui aproveito para me retratar - de fato, não sei (e não me importa) se Kassab é ou não gay, mas esse não saber, entretanto, penso eu e aqui começo a discordar de seu texto, não retira o importante mérito de se discutir a questão da sua provável (ou não) orientação sexual. Acredito que o fato de ele ser gay (ou não) não seja algo tão irrelevante, como você defende com tanta veemência, ainda mais quando se trata de um político, alguém que estabelece e veta legislações e regras que atingirão milhões e milhões de pessoas. E, sobretudo, quando esse alguém é candidato a prefeito da maior cidade do país. A mim particularmente não importa a sua orientação sexual, mas na hora em que vou votar me interessam sim as discussões que venham dela, assim como, diversas outras posturas de um político. Se essa questão fosse assim tão irrelevante por que você, por exemplo, faz questão de mencioná-la em seu blog? O que rebato em seu texto é você dizer que essa discussão é irrelevante. Não, não é. Da mesma forma que se discute o apoio de Lula a seu filho, as ligações de ACM com os militares, o emprego da mulher e dos filhos dos nossos políticos, a relação da Marta com um argentino importa sim discutir a orientação sexual de uma personalidade, ainda mais quando se trata de um político... Caro Fabrício, nem sempre as instâncias do privado e do público são assim tão claras, ainda mais neste país. Ao contrário: São muito tênues e assim acho que devem ser, sobretudo, quando envolvem pessoas que nos devem prestações de contas; pessoas em que depositamos nossos votos, que não podem se dar ao luxo de serem homofóbicas, racistas etc. Sim porque na maioria das vezes elas levam suas razões privadas (e não a vontade pública) para decidir aprovar ou vetar leis. Assim sendo, acredito que a vida privada dos políticos importa sim porque elas, suas posições e valores, um dia terão implicâncias na vida de muita gente. Sou contra patrulhamentos mas em seu texto você faz um patrulhamento às avessas, que me soa ingênuo - é legítimo sim que as pessoas cobrem posições pessoais e queiram discutir e saber e cobrar, inclusive, a orientação sexual dos nossos políticos porque elas terão consequências em seus mandatos. E costumam ser definidoras de votos, vide os votos da bancada evangélica, em que qualquer "avanço gay" é duramente rechaçado.

    (Resposta de Fabrício Viana: Suênio, grato por se retratar, o pouco texto dava realmente a impressão que você não só sabia que ele é gay como tinha total certeza - risos. Alias, este é o problema da Internet, pouco texto gera diversas interpretações - algumas errôneas - como foi o caso de você entender que eu não me importo ou deveria me importar com a sexualidade dos outros, sim, concordo contigo de que se o Kassab fosse gay ele deveria ser o primeiro a assumir sua homossexualidade, ao mesmo tempo, meu post tentou mostrar o quanto as pessoas estão precoupadas com a sexualidade e não cuidando de suas próprias vidas. Sem falar que isso gera outras reflexões, como você, mais uma vez citou, muitas personalidades são gays e não são assumidas publicamente, o que considero um erro embora respeite o direito a privacidade de cada um. Mesmo porque, embora seja a favor e trabalhe para a promoção da "saida do armário", esta deve ser feita sempre pela pessoa e não por terceiros. Se ela não quer, se ela tem sérios problemas internos ou externos, quem somos nós para arrancá-la do armário? Mesmo sendo uma pessoa pública.)

    ResponderExcluir
  3. É importante, sim, saber se o Kassab é gay. “Se Gilberto Kassab for gay, ótimo, ele será um excelente prefeito!“ Acredito nisso.

    ResponderExcluir
  4. se ele é gay ou não eu não sei mas é um péssimo político como quase todos, mentiroso e arrogante....

    ResponderExcluir
  5. a homossexualidade é m comportamento aprendido, não nascemos heteros ou homo,como dizem alguns, nascemos homem e mulher,como tudo na nossa vida são escolhas,a gente acaba escolhendo,e eu respeito muito a escolha alheia,seja religiosa,sexual,politica , concordo com o comentário:aima de tudo somos seres humanos. posso até não concordar com o hmossexualismo, mas respeito os homossexuais,são gente,são seres humanos,e muitas das vezes pessoas maravilhosas, principalmente as que se respeitam e sabem respeitar a heterossexualidade dos outros, a palavra homofobia é uma palavra horrorosa, que as vezes é usada de maneira equivocada por grupos homossexuais,pois quem tem essa doença tem vontade de matar homossexuais,o que não é o caso da maioria que é acusada de ter essa doença psiquiatrica, quem tem precisa se tratar, o fato de não concordar com o homossexualismo não faz de ninguem um homofobico,mas o odio,a ojeriza,a vontade de matar, o preconceito exacerbado, isso é homofobia.abraços.

    (Resposta de Fabrício Viana: Que dera todos que não concordam com a homossexualidade - assim como eu não concordo com a alienação religiosa - respeitassem e não odiassem. Ótimo comentário! :-) )

    ResponderExcluir
  6. Dei um link pra você no blog Mude, no próprio texto sobre o Kassab.

    (Resposta de Fabrício Viana: Obrigado, darei uma olhada!)

    ResponderExcluir
  7. A insinuação sobre a homossexualidade de Kassab, provavelmente, fará estragos na votação de três comunidades: os evangélicos, os nordestinos e os conservadores. E Marta, embora diga não concordar com tal enfoque da questão, felizmente, vai crescer ainda mais. Sou contra Kassab, politicamente, mas até o apoiaria se ele "saísse do armário". São Paulo já está preparada para ter um prefeito gay... assumido!

    Mas, se não for para avançarmos na luta pelos direitos das minorias, por que deixar a prefeitura de São Paulo nas mãos do PFL?!

    Além do mais, biografia por biografia, a de Marta é infinitamente superior!!!

    (Resposta de Fabrício Viana: Escuto, em tudo quanto é lugar, com uma força veroz, que o Kassab é gay e por isso deve sair do armário. Concordo, se ele fosse mesmo. Mas como ele disse publicamente que não é, quem somos nós?)

    ResponderExcluir
  8. Eu acho que a Marta não foi muito feliz no que ela insinuou, afinal de contas ela diz que apoia os gays, as lesbicas e todo tipo de amor. Qual o problema se o Kassab for?
    Quem é ela pra falar de alguém, se não foi capaz de tirar nem o sobrenome do seu ex-marido (tudo por conveniência) e adotar o sobrenome de seu atual. A ela lhe falta vergonha na cara.

    ResponderExcluir
  9. Eu acho que o problema é dele sendo ou não sendo homo, o que vale é a proposta politica dele e se ele vai fazer ou se vão deixar ele fazer. Que cada um viva a sua viva e respeite a dos outros desde que ele não fere a integridade das outras pessoas, as pessoas gostam de banalizar para ficar com leviandade, não acho legal isso.

    ResponderExcluir