domingo, 25 de janeiro de 2009

Carnaval: Movimento Gay sairá com bloco para denunciar preconceito em São João Del-Rei

O carnaval em São João del-Rei ganha mais brilho, alegria e reivindicação em 2009. Isso porque o Movimento Gay da Região das Vertentes (MGRV) sairá no dia 21 de fevereiro a partir de 15h00min com o "BLOCO SEM PRECONCEITO - MGRV". A idéia surgiu para aproveitar o grande número de turistas que circulam pela cidade histórica nessa época do ano e divulgar a Lei Municipal Nº4.172/07 que combate e pune atos discriminatórios por orientação sexual. O Bloco organizado pelo movimento gay da região tem foco em algumas áreas de atuação tais como:

[caption id="attachment_472" align="aligncenter" width="640" caption="Carlos Bem"]Carlos Bem[/caption]

- Direitos Humanos: O MGRV começa 2009 focalizando a reivindicação pela aprovação do PLC122/06 em tramitação no Senado. Para tanto, distribuirá folders com a logo da Campanha Nacional NAO HOMOFOBIA idealizada pelo grupo Arco-Iris(RJ) e pedirá que a população acessem o site www.naohomofobia.com.br e assinem o abaixo eletrônico em favor da Criminalização da Homofobia. O Presidente e fundador do MGRV Carlos Bem denuncia que a cada dois dias um homossexual é assassinado no Brasil de acordo com crimes divulgados pela imprensa e sistematizados pelo GGB(Grupo Gay da Bahia). Porém, o ativista acredita que os dados são subnotificados e o número ultrapassa a estatística apresentada. "Só em 2008 foram cerca de 150 assassinatos. Já passou da hora de fazer alguma coisa pra frear esse homocídio! Queremos que os Senadores Mineiros votem favoráveis ao PLC122" afirma Carlos Bem.

- Luta Contra a Aids: O MGRV também tem o foco no enfrentamento da epidemia de Aids e outras DST. Para tanto desenvolve ações de conscientização da impotância do uso do preservativo em todas as relações sexuais. O último boletim epidemiológico publicado pelo Ministério da Saúde mostra que cresceu assutadoramente o número de jovens gays infectados com o vírus HIV. "Sabemos que o Carnaval é uma época do ano onde as relações sexuais estão mais intensas. Os hormônios ficam a flor da pele. Nesse sentido o MGRV não furta-se do seu compromisso social com o público-alvo. Se depender de nós nenhum gay, HSH, Travesti e lésbicas serão infectados, mas é preciso que cada um faça sua parte" esclare o militante.

- Promoção da Cultura LGBT: Outro objetivo do MGRV ao sair com o bloco é a promoção e divulgação da cultura LGBT. Para Carlos Bem a cultura LGBT só teve visibilidade depois que o MGRV começou a reivindicar espaço. No ano passado o MGRV recebeu um Prêmio do Ministério da Cultura por realizar ações para promoção da Cultura como ferramenta de luta contra Homofobia e Transfobia. E se depender do MGRV os LGBT terão cada vez mais acesso à cultura. "Vamos ocupar todos os espaços públicos possíveis para discutir e valorizar nossa música, nossas manifestações artísticas, nossa maneira de ser...nossa identidade cultural  e promover o que temos de mais forte: a Cultura de PAZ" relata Carlos Bem.

- Fortalecimento do Turismo: O MGRV quer colocar a cidade de São João del-Rei como pólo do turismo LGBT em Minas Gerais e usar essa ferramenta para promover a cidadania e inclusão social das pessoas LGBT do município. "O turismo GLS precisa estar na agenda do governo municipal como importante fonte de geração de renda e movimentação da economia local. E vamos mostrar que temos potencial pra isso".

O "BLOCO SEM PRECONCEITO - MGRV" será concentrado no Terminal Turístico em São João del-Rei no dia 21 de Fevereiro a partir de 15h00min. A organização espera cerca de 03 mil pessoas. Mesmo número divulgado pela Polícia Militar na 1ª Parada da Cidadania e do Orgulho GLBT do ano passado. "Esperamos cerca de 03 mil pessoas. Na parada em 2008 estava chovendo e atrapalhou um pouco, esperamos um sabadão de carnaval com sol, calor e muita alegria!" afirma Carlos Bem presidente do MGRV. O bloco será animado ao som de deejays, performaces de drags da cidade e gogoboys.

O BLOCO SEM PRECONCEITO - MGRV conta com o apoio da Prefeitura Municipal de São João del-Rei, através da Secretaria Municipal de Turismo e Cultura e do Programa Municipal de DST/AIDS.

O presidente do MGRV, Carlos Bem (foto acima), espera contar ainda com o apoio da imprensa local. De acordo com o ativista, com exceção de um órgão de imprensa que enfrenta na justiça a  acusação de homofobia, demais órgãos de imprensa no municípío tem sido extremamente simpatizantes e aliados.

O  MGRV, a toda população sãojoanense para participar do bloco e estende o convite aos turistas, sobretudo LGBT, para conhecerem a cidade mais simpatizante da Região das Vertentes.

"É um bloco para todas as raças, todas as cores, toda orientção sexual, filiação partidária, credo, idade, é o BLOCO DA DIVERSIDADE".

3 comentários:

  1. Mãe pede ajuda a Filho em No Limite 4


    Dona Christina, fotógrafa, pede ajuda aos ativistas, LGBT's brasileiros e pessoas sem preconcetos que votem a favor de seu filho João, ela alega que seu filho está sendo vítima de Homofobia, o caso se repete novamente quando no BBB de 2005 Jean Willys também foi vítima de pessoas preconceituosas e homofóbias. Muito louvável a atitude dessa mãe.




    "Nós devemos lutar contra toda e qualquer forma de preconceito e contra pessoas que o fazem, vamos todos e todas votar a favor do companheiro João, dizer que ele é fraco, isso pra mim não é desculpa!!!!! Vamu lá galera, vamos votar para que o João fique e que ganhe o prêmio será mais um LGBT no Topo, e vamos provar que ser Gay não é sinonimo de fraqueza" Roger Nascimento.
    Veja como se deu a votação de João para o Portal.
    A indicação da Malibu de quem iria para o Portal.
    Bia, mandou Felipe para o Portal.
    João recebeu quatro votos dos companheiros contra três votos para Marcelo e um para Felipe.

    ResponderExcluir
  2. Boa Tarde! Gostaria de saber para que que serve o contrato de união Homo afetiva?
    Meu companheiro com 66 anos e 9 meses faleceu dia 24/11/2012, estava internado com a saúde muito debilitada devido a um cancer e diabetes, que já tinha ha 16 anos, embora a causa da morte tenha sido um tombo que sofreu no hospital por falta de assistência dos profissionais que lá se encontrava, e eu não pude ficar como acompanhante por não poder deixar a casa e os animais só, ele estava recebendo auxilio doença, agora me disseram que não tenho direito a aposentadoria por este motivo, não posso encerrar as contas dele a não ser com ordem judicial, vivemos juntos 23 anos e 5 meses, estou com as despesas de funeral em atraso e não posso sacar o dinheiro para pagar, temos o contrato de união, não me da a prioridade do direito por ser praticamente casado com ele? o que devo fazer? poderia escrever um livro com as situações de descaso que nós passamos até aqui. fico grato pela atenção.

    ResponderExcluir