segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Banda Redonda ou Banda do Redondo, é carnaval, história e diversão! 16/02/09

A mais antiga e tradicional banda carnavalesca da cidade de São Paulo nasceu com o nome de Bandalha, criada no auge da repressão militar pelo dramaturgo e ator Plínio Marcos em 1972, nome que lembrava um bloco de sujos de sua cidade natal, Santos. Plínio gravava a novela Bandeira Dois, no Rio de Janeiro e não aguentava mais as piadas e provocações dos cariocas, dizendo que: bloco de paulista é bloco de concreto armado, que cordão de paulista é cordão de isolamento; e, como se tudo isso, ainda, não bastasse, atormentavam tanto o irrequieto Plínio Marcos, citando Vínicius de Moraes “São Paulo é o túmulo do samba”. Àquela altura a Banda de Ipanema já era famosa, trazendo como musas Leila Diniz e Odete Lara. Injuriado com tantas brincadeiras, Plínio chamou seu colega de teatro, Carlos Costa, o Carlão, que já era frequentador do mundo do samba paulista, mas ganhava a vida no teatro, Carlão foi bilheteiro, contra-regra e ator, atuou no teatro de Arena e também no cinema. Então, Plínio Marcos se autoproclamou presidente da Banda Bandalha e convidou para a vice-presidência o Carlão. Claro que Plínio e Carlão viam na banda uma forma de se expressar, num momento que a censura calava o teatro, jornais e outras manifestações.

Em 1972 e 1973 no auge da ditadura militar, a banda saiu da frente do Teatro de Arena e percorreu o centro, foi sucesso de cara, tendo no primeiro desfile como Porta Estandarte a atriz Etty Frazer e mestre sala o ator Toni Ramos, também contou com ilustres participantes, como a atriz Walderez de Barros, o dramaturgo Gianfrancesco Guarnieri, o ator John Herbert, Pepita e Lolita Rodrigues, os jornalistas Arley Pereira, José Ramos Tinhorão, o ator e artísta plástico Luiz Carlos Parreira, além da turma da “Vagão” e redondeza, entre tantos outros atores, jornalistas e foliões. A Banda durou dois anos, depois de brigas com a prefeitura, Plínio se injuriou e falou que não tinha mais Bandalha, mas seus remanescentes, encabeçados por Carlão, formaram a Banda Redonda, que desfilou pela primeira vez em 74, agora tendo Carlos Costa como presidente e Plínio como vice. Com a inspiração do Artista plástico Luis Carlos Parreira a banda adotou a pomba como símbolo e as cores azul, ouro e branco. Atualmente, os desfiles da banda são acompanhados por cerca de 15 mil pessoas e já entraram no calendário oficial do carnaval de São Paulo. Além disso, ela é filiada à ABASP - Associação de Bandas de Carnaval de São Paulo.

Carlão, o Carlos Costa, Carlão da Vila, Carlão do Boné, quando assumiu a banda em 1974, transformou-se no “General da Banda” de São Paulo (lembrando Black-Out, o “General da Banda” no Brasil): diz um dos foliões: quando o Carlão chega as pessoas cantam... “Chegou o General da Banda...” Sobre o novo nome da banda: Redonda, Carlão conta um pouco da história: “A gente frequentava um bar chamado Redondo. Tinha uma gíria na época que dizia que as pessoas inteligentes tinham a testa redonda. Daí, a partir de algumas sugestões: ARENA, pelo teatro (ora veja, naquela época, o partido da ditadura tinha a sigla de ARENA), Carlos Gomes, Roseevelt (nome de gringo não), Consolação e Vila Buarque, (não são nomes para uma banda). Prevaleceu a idéia da cabeça inteligente: Redonda, ainda sugeriram Banda do Redondo, para tentar obter algum patrocínio do dono do bar, mas aguém lembrou: “o portuga sequer pindurava uma cerveja”. Daí ficou definitivamente “Banda Redonda” mesmo, pela idéia do Parreira, ainda hoje há quem confunda o nome da banda com o nome do bar.

A Banda Redonda homenageia todos os anos personalidades destacadas no meio Cultural e Artístico, como: Etty Fraser, Sérgio Mamberti, Walderez de Barros, Chico de Assis, Emilio Fontana, Drauzio Varella, Esthér Góis, Regina Braga, Renato Consorte, Paulo Goulart, Analy Alvarez, João Acaiabe, Maria Alcina, João Batista de Andrade, Alaíde Costa, Chico Pinheiro, Denis Derkian, além da presença dos homenageados, este ano a Banda lembra os 10 anos sem o dramaturgo e escritor Plínio Marcos, companheiro e fundador da “Redonda”.

Dia 16 de fevereiro de 2009, às 19h – Concentração na frente do Teatro de Arena Eugênio Kusnet (Rua Teodoro Baima, 94). Saindo do teatro de Arena, o desfile percorrerá a Rua da Consolação, seguindo pela Xavier de Toledo, passando pelo Teatro Municipal, Cons. Crispiniano, Av. São João, Ipiranga, Praça de República, cruzando a Av. São Luís. Voltando ao ponto de partida na frente do Teatro de Arena, o desfile da “Redonda se encerra com algumas músicas do verdadeiro carnaval de rua. Apoio: O AUTOR NA PRAÇA. Informações: Carlão (SPTuis) - 2226 0651 ou Teatro de Arena 3256 9463 (com Elias).

Imprensa: Edson Lima – 3746 6938 / 9586 5577 – imprensa@oautornapraca.com.br

Carlos Costa, O General da Banda Redonda, chegou em São Paulo em 1947, aprendeu a história do samba paulista, curtiu e viveu o samba em sua forma mais autêntica. Nesses 32 anos da banda a maior satisfação de Carlão é oferecer a oportunidade para todas as classes e camadas da população curtir o autêntico carnaval, sem qualquer custo, colcando lado a lado todas as diferenças, equacionadas no mais simples momento de alegria.

“A banda Redonda surgiu na época da repressão da ditadura militar e, tem como objetivo trazer para a rua os executivos dos escritórios do centrão da capital paulista para brincar o carnaval com o povo com ou sem fantasia, com ou sem dinheiro”. Afirma Carlos Costa, o conhecido “general da banda” de São Paulo.

2 comentários:

  1. gostaria de estar dentro do cordão de isolamento ou ate mesmo ter uma autorização para entrar com a moto rosa na avenida paulista veja as fotos no orkut, estou com muitas celebridades e politicos inclusive com presidente lula, e vaja os videos deste ano na tv record, sbt, band entre outros programas locais, dino perez 19 91279925 19 32879129

    ResponderExcluir
  2. Meu comentário com relação aos homossexuais, é que a mídia discute em odos os pogramas que homossexual é uma "opção", e eu discordo completamente do termo de opcional, se eu pudese optar sexualmente, eu escolheri ser heterosexual, porém a minha "condição sexual é homossexual! Então como pode ser uma opção minha? Acho que um grande número de pessoas homossexuais também haje assim para serem felizes. Aceitar a homossexualidade como modo de vida comum. Vivemos na sociedade de forma reservvada e alguns indivíduos são hipócritas, ao dizer que se tornarão homossexuais depois.Nomeu caso desde criança eu me sinto atraido por homens, e nunca tive algum interesse sequer por mulheres, aí zfirmo, não escolhi ser ho0mossexual, sou homossexual mdesde que me conheço por gente. E não escolhi a minha condição, apenas a aceitei como modo de vida à partir dos meus 18 anos,e vivo feliz assim obrigado, não devo nada ninguém e é isso. desculpe-me os erros de português ou pontuação.

    ResponderExcluir